Dr. Fazendeiro Walter.

Pensei que seria mais uma viagem, como outra qualquer. Viagem a trabalho, como sempre. Mas foi totalmente diferente do que imaginei.

Lar Evangélico Masculino Pastor Boyd O’Neal.

Desembarquei na capital alagona com uns vinte minutos de atraso. Do aeroporto fui direto para o Lar Evangélico Masculino Pastor Boyd O’Neal. O lar abriga hoje 10 crianças e adolescentes em situação de risco. Até ai tudo bem.

Não demorou muito, começamos com a oficina “Adolescência, Juventude e Participação.” Na verdade não foi uma oficina, e sim um bate-papo com adolescentes sonhadores e querendo ser um Cristiano Ronaldo. Depois de algumas horas com a bola rolando, finalizei essa primeira parte. No final da tarde, o momento mais feliz da minha vida, até então, chegou. O encontro entre eu e Dr. Fazendeiro Walter.

11 anos de idade, vítima de abuso sexual e de tortura, morador de uma das piores periferias de Maceió (Aterro), Dr. Fazendeiro Walter (ele quer ser doutor e fazendeiro quando crescer) tem um talento indiscutível. Desenha como ninguém. As folhas de ofício foram tomadas por obras de artes. Não só a dele, mas também dos outros meninos que moram no abrigo. Hora de dormir. Coloquei todos nas suas respectivas cama e fui deitar.

Escola Estadual Geraldo Melo dos Santos
Escola Estadual Geraldo Melo dos Santos

Demorei pra dormir. Estava tentando compreender o que estava acontecendo comigo. Quando me toquei já estava na hora de acordar. Assim que saio do quarto, o Dr veio correndo me abraçar. A recíproca era verdadeira. Sai do Lar totalmente desnorteada e fui realizar a oficina sobre Direitos na Web com os alunos da Escola Estadual Geraldo Matos dos Santos. Ocupamos a biblioteca! HAHAHA Foi show. Todos participando na perfeita ordem.

Aterro
Aterro
Aterro

Sai da escola e fui visitar a grota (comunidade, periferia, favela etc, a mesma coisa só muda o nome) do Aterro. A segregação urbana gritou na minha cara. A desigualdade social me deu um tapa e os moradores do Aterro fizeram a revolução e falaram “Nós existimos!”. Um filme passou na minha cabeça quando estava descendo as quebradas do Aterro. Outro filme com triplo de duração passou na minha cabeça quando fiquei frente a frente com os comerciantes locais e guardiões, se é que me entende.

Não muito diferente das outras periferias brasileiras, o Aterro é o bairro esquecido pelos governantes locais. Mas enquanto isso .. fazem quebra-molas (os fortes entenderão).

Dr. Fazendeiro Walter morava lá. Assim como muitas famílias moram. Ou melhor, sobrevivem.

Pois bem, fui dá uma voltinha na orla de Maceió. Lindas praias. Mas minha cabeça não processava nada. Peguei uma van lotada. Um passageiro me reconheceu por conta do Desabafo Social. Ele conseguiu arrancar um sorriso meu, pelo menos. Mas ainda estava desnorteada.

[…]

Depois de realizar as atividades, dormir no Lar, passear, chorar, ser reconhecida na van, sorrir… era a hora de me despedir do Dr Fazendeiro Walter. Não deu para conter as lágrimas.  Trocamos segredos e promessas de logo mais nos encontrarmos. Promessas que serão cumpridas em um curto espaço de tempo.

foto 3

“Não sei se o mundo é bom, mas ele está melhor porque você chegou
e explicou o mundo pra mim.”

Logo mais o seu abrigo será o meu lar e o meu abraço. As estações do ano serão nossas, as férias serão nossas, os feriados serão nossos. Eu ganhei um filho.

Desenho feito pelo Dr. Fazendeiro Walter.
Desenho feito pelo Dr. Fazendeiro Walter.