10 ferramentas para expandir e aumentar o impacto do seu projeto

Como aquele projeto conseguiu ter tanta visibilidade e alcançar o Brasil? Se isso já passou pela sua cabeça, essa publicação é para você! 

Quando conhecemos algum projeto ou negócio social dando certo, muitas vezes nos perguntamos “por que minha ideia não alavanca?” ou então “eles conseguiram porque tiveram dinheiro para investir”.  Tentarei aliviar seus sofrimentos.

A primeira coisa é não comparar seu início com o meio de ninguém. Cada um começa de uma forma e pensa de um jeito. Entenda que você é a única pessoa responsável pela transformação que quer ver no mundo. Então invista em você! Para te ajudar fiz uma lista de ferramentas gratuitas que costumo utilizar no Desabafo Social. Com essas ferramentas você irá gerir melhor seu projeto, garatindo visibilidade e aumentando o impacto.

[DESIGN] É sempre um desafio encontrar imagens de boa qualidade e ainda por cima gratuitas. No Freepik você encontra vetores, ícons e fotografias gratuitas para divulgar seu projeto.

wunderlist-logo

[ORGANIZAÇÃO] Com o Wunderlist você pode organizar toda sua vida! Você organiza sua vida pessoal, trabalhos , féricas e muito mais! Adicionte datas de entrega, compartilhe com colaboradores e acesse de qualquer dispositivo.



[ORGANIZAÇÃO] Agora você pode criar uma agenda online! As pessoas marcam o dia e a hora de acordo com sua disponibilidade.  Ainda você pode sincronizar automaticamente os agendamentos ao seu calendário. Muito simples!

[ORGANIZAÇÃO] Seja mais produtivo, organize seu tempo. Com o Trello você pode gerir seu projeto de maneira visual, integrar o Dropbox ou Google Drive e ainda contar com a colaboração de um time.

[ORGANIZAÇÃO] Organize suas ideias construindo um mapa mental. Utilizando o Bubbl  você consegue comunicar o que deseja de uma forma mais fácil e visual. Serve para você entender e solucionar problemas do seu projeto, realizar brainstormings (chuva de ideias) e criar ações estratégicas.

[ORGANIZAÇÃO] Você precisa enviar um arquivo acima de 1GB, mas não consegue enviar por email? O Wetransfer é um serviço que permite transferir arquivos de até 2GB

[ORGANIZAÇÃO] Utilize o Behance para criar portfólio online diversos tipos de portfólios como vídeos, animações, peças gráficas e websites. Uma plataforma sensacional e totalmente gratuita.

[COMUNICAÇÃO]  O Mailchimp é uma das melhores plataformas de envio de email marketing totalmente gratuita e permite enviar até 12 mil email por mês. Organize sua lista de email e saiba como fazer uma boa campanha de email marketing.

[COMUNICAÇÃO] Com o Hangout on Air você pode transmitir ao vivo qualquer evento em seu canal do YouTube e em seu site.

[MONITORAMENTO] O Goolgle Alerts é um serviço de clipping automático. Escolha seus assuntos de interesse e cada vez que sair uma matéria sobre temática  que você escolheu, o Google Alerts irá te avisar por email. Isso vai facilitar sua vida e muuuuuito!

Gostou? Se quiser mais dicas é só fazer a inscrição para Mentoria Online totalmente gratuita: Inscrições

Saiba como tirar sua ideia do papel

Poderia listar dicas para se tornar um empreendedor social de sucesso. Mas prefiro indicar pessoas que poderão colaborar com você para concretizar seu projeto!

A plataforma Mucho con Poco, da organização Asuntos del Sur, serve como apoio aos Empreendedores Sociais da América Latina. A ideia é criar uma sistema de acompanhamento e fortalecer as estratégias utilizadas por jovens que atuam na promoção e proteção dos direitos políticos, civis e sociais utilizando poucos recursos.

O espaço é totalmente online e gratuito para conectar pessoas e organizações com Líderes Inovadores da América Latina. As principais consultorias para tirar sua ideia do papel são: comunicação digital, traballho em equipe e gestão de projeto, construindo uma cadeia solidária, útil para a sustentabilidade do projeto e criação de redes locais.

brasileiros mucho con poco
Esses são os Líderes Inovadores da América Latina que representam o Brasil. Acesse a plataforma Mucho con Poco!

marca

O Desabafo Social foi criado em 2011, pela jovem  soteropolitana Monique Evelle. Inicialmente era apenas o nome do grêmio estudantil no Colégio Estadual Thales de Azevedo. Monique estava cursando o último ano do Ensino Médio e por isso decidiu levar o Desabafo Social para fora do colégio.

Então, no primeiro semestre de 2012 , iniciou oficinas e rodas de conversas com crianças do bairro Nordeste de Amaralina. Foram seis meses de atividades com o público infantil. Entre as atividades, podemos destacar oficinas de educação ambiental, reforço escolar, direitos humanos da criança e do adolescente, produção de fanzine e muito mais.  No segundo semestre do mesmo ano, o Desabafo Social começou a trabalhar com os adolescentes e jovens buscando compartilhar conhecimentos sobre comunicação, cidadania e relações raciais, contribuindo assim, para o empoderamento da juventude. Pouco tempo depois, o Desabafo Social se tornou uma rede nacional. Isso só foi possível através de articulações e ações realizadas no ciberespaço.

Hoje o Desabafo Social tem colaboradores jovens espalhados por sete estados brasileiros, buscando formas de criar espaços de debates, envolver escolas, comunidades e instituições para promover a cultura de direitos humanos, incentivar e estimular o engajamento de adolescentes e jovens em causas sociais e subsidiar a elaboração e criação de novas iniciativas pensadas por jovens.

O trabalho do Desabafo Social acontece no cenário físico por meio de palestras, seminários, rodas de conversas, oficinas e participações de eventos. E no cenário virtual debates on-line por meio das redes sociais, da Revista On-line e da Web Rádio. Tem como missão realizar e compartilhar práticas alternativas de direitos humanos da infância e da juventude, comunicação e cidadania, além de se tonar referência em participação juvenil com incidência política.

Em um seminário sobre tecnologias sociais promovido pela Fundação Banco do Brasil, 2004, Juçara S. Pedreira, Ladislau Dowbor, Maia Takagi, Sandra Boudarovsky, Rogério Miziara e Sonia Kruppa, formularam coletivamente o conceito de tecnologia social. “Conjunto de técnicas e procedimentos, associados a formas de organização coletiva , que representam soluções para inclusão social e melhoria na qualidade de vida.”

Para Lassance e Pedreira (2004) os métodos das tecnologias sociais perpassam pela articulação da ampla rede de atores sociais, pela adaptações inteligentes e espírito inovador, além da viabilidade política, técnica e social. A viabilidade política refere-se a autoridade e visibilidade que a tecnologia social ganha com o tempo, ou seja, pessoas passam a recomendar. A viabilidade técnica tem a ver com o projeto básico das ações, para que seja possível realizar em diferentes espaços e a viabilidade social quando a tecnologia se mostra capaz de ganhar escala, formando uma rede.

O Desabafo Social tornou-se tecnologia social a partir do momento que passou a ser instrumento para construção de soluções no campo social, através do conhecimento empírico dos jovens que compõem a rede, sendo referência para outros grupos, coletivos, redes e organizações.

O uso de metodologias que respeitam a diversidade, a realidade sociocultural das crianças, dos adolescentes e dos jovens, conciliando teoria e prática, o uso da linguagem adaptada decodificando termos para um vocabulário de fácil entendimento a um cidadão comum, além da efetivação dos direitos já existes, principalmente relacionados à participação juvenil, faz do Desabafo Social uma rede com resultados tanto qualitativos, quanto quantitativos.

Experiência de baixo custo e com grandes impactos sociais, o Desabafo utiliza a inteligência colaborativa proposta pelo sociólogo Pierre Lévy, através da educação popular pensada por Paulo Freire.