Sem sofrimento não há crítica social

Fotografia: Monique Evelle

Segundo Hobbes os homens viviam em um estado de natureza e por isso estabeleceram um contrato social entre si , passando o poder coercitivo para terceiros, no caso o Estado. Isso em troca da sua “liberdade natural”. Ai vem Rousseau e diz que liberdade é fazer tudo que as leis permitem. Como viver, conviver de forma harmônica e menos perversa numa sociedade cercada de controles sociais, já que sempre irão existir controles? E caso não existissem? Parece que a questão é de medida certa e adequada dos controles, não de inexistência de controle social. É todo um contexto histórico que, talvez, dificulte essa medida certa dos controles. O Brasil tentando abrir a discussão sobre a redução da maioridade penal, o Irã e o radicalismo dos controles sociais, a França e os movimentos contra a união civil de pessoas do mesmo sexo. O preocupante é quando um código civil de 1922 só é atualizado em 2002. Enfim.

Estava lendo o texto Sem sofrimento não há crítica social de Vladimir Safatle, professor no Departamento de Filosofia da USP, só me trouxe mais questionamentos. Os valores que passam pelo campo da saúde estão diretamente relacionados com os valores que passam pelo campo da cultura?! O trecho “O sofrimento psíquico nunca foi simplesmente algo que deve ser eliminado, como eliminamos o vírus de uma doença orgânica..” foi o que mais me chamou atenção. Analisando a sociedade atual, a busca pela perfeição, o conflito entre o EU e o ideal do EU, geralmente não condiz com a pessoa, então gera choques de valores. Isso favorece o sentimento de insegurança e ansiedade levando ao sofrimento psíquico. É mais fácil tomarmos medicamentos do que fazemos uma psicoterapia? Os dois são caros. Mas por que as pessoas preferem os medicamentos? A psicoterapia nos leva a questionamentos sobre nós mesmo e irá nos mostrar quem realmente somos e não estamos preparados para saber e compreender isso. Será? Isso quer dizer que a partir do momento que que nos descobrimos, conseguimos enxergar o que realmente está a nossa volta e nos tornamos críticos sociais? Enxergar a sociedade como ela é , é o passo inicial para nos tornarmos mais críticos? São muitos questionamentos que surgiram após a leitura desse texto. RECOMENDO!

Confiram também a matéria A pobreza leva à loucura

A matéria mostra a relação entre a classe de baixa renda e sofrimento psíquico. Ou melhor, como a situação financeira influencia no surgimento das famosas “doenças contemporâneas”, doenças mentais. Vale muito a pena ler!

Monique Evelle

Salvador, 21 de setembro de 2013